Padre mobiliza Mauá da Serra-PR para baixar salários de vereadores.

24/07/2017

Vereadores, sob pressão popular, apresentaram um projeto para baixar os salários, de R$ 3 mil para R$ 820, a partir de 2017. 

Os moradores de mais uma cidade paranaense estão comemorando o resultado de uma mobilização popular. Um movimento que começou numa igreja e acabou na Câmara de Vereadores.

Sozinho no altar, Padre Porto comemora o "Dia do Fico": "Eu só tenho a agradecer, acho que não sou tão merecedor", disse o padre.

E foi o povo que pediu. Essa história começou há três semanas. Durante uma missa, Padre Porto pediu para que os vereadores de Mauá da Serra baixassem os salários, seguindo o exemplo de Câmaras de outras cidades do Paraná que tinham cortando gastos.

"Eu achei importante, e que é cabível. Isso significa que é possível, que as outras também possam fazer o mesmo", o padre afirmou.

A igreja estava lotada e, entre os fiéis, havia também parentes de políticos. A notícia, claro, chegou rápido à Câmara de Vereadores. E lá, ninguém gostou da pregação do padre. Na hora, os vereadores ligaram para o bispo e marcaram uma reunião para pedir a saída do padre.

"Minha opinião é que a nossa missa não é pra falar de política", declarou o vereador Márcio Dias de Oliveira, do PMDB.

Os fiéis não gostaram da manobra e lotaram a Câmara para apoiar Padre Porto. A sessão tumultuada teve protesto, vidro quebrado, gente ferida e uma vitória em dose dupla. Os vereadores cancelaram a reunião com o bispo e ainda apresentaram um projeto para baixar os salários, de R$ 3 mil para R$ 820, a partir de 2017.

"Nós vamos estar aqui até eles 'aprovar', e fiscalizar sempre pra não deixar mais virar essa bagunça", disse um manifestante.

"Quem manda e quem vota é o povo. O povo tem direito, nós somos funcionários do povo", disse o presidente da Câmara, Nelson Bonin Gonçalves, do PSDB.

Esse "povo patrão" parece que redescobriu sua força no Paraná, que vive uma onda de protestos por cortes de gastos nas Câmaras. Já funcionou em Santo Antônio da Platina, com a bronca da empresária Adriana Oliveira. E em Jacarezinho, com o protesto dos gatos pingados. Nas duas cidades, os vereadores reduziram os salários.

As ações ecoaram em pelo menos outros sete municípios paranaenses. Onde eleitores despertaram para a cidadania.

Fonte: g1.globo.com/jornalnacional