Miss 155 ganha, na justiça, direito de ter visita intima em outra cadeia.

16/10/2017

Uma decisão judicial determina que a Polícia Militar faça o transporte e a escolta de uma detenta para que ela possa encontrar o marido que também está preso.

A presa é Heloísa Rolim de Moura, de 20 anos, mais conhecida pelo apelido de "Miss 155". Ela está presa na carceragem feminina da Polícia Civil de Maringá. Heloísa ficou conhecida pela polícia por ter praticado inúmeros furtos de celulares em lojas da cidade.

O marido dela, Marco Antônio de Lima Ferreira, de 33 anos, está preso na Casa de Custódia em Paiçandu.

A Defensoria Pública do Paraná requereu autorização para que Heloísa possa visitar o marido. Como o casal comprovou união estável, o Ministério Público aceitou o pedido. No artigo 26 da Portaria nº 499/2014 do Departamento Penitenciário (Depen), o direito a visita íntima é de direito às pessoas presas casadas entre si pelo menos uma vez no mês. Quem fará o transporte de Heloísa até a Casa de Custódia sera a Polícia Militar do 4º Batalhão. Essa decisão de ter que transportar e escoltar a presa teria deixado policiais revoltados. Em nota, o Depen informou que o Poder Judiciário que autoriza a medida e os critérios para a concessão do benefício e que o Depen apenas executa. O direito é reservado aos presos, desde que comprovem certidão de casamento ou declaração de união estável.

Fonte: andrealmenara.com.br