Donos de bares da Zona 7 calculam os prejuízos durante vestibular da UEM.

28/07/2017

Alguns donos de bares da Zona 7, em Maringá, se reuniram no último sábado (22/07), uma semana após a realização do vestibular da UEM, para compartilharem os inúmeros prejuízos causados pela proibição da venda e consumo de bebidas alcoólicas imposta pela Lei Complementar n. 8054/2008. Todos os empresários compartilham do mesmo sentimento de injustiça por serem tolhidos de exercerem a sua atividade comercial, impactando em uma redução de 25% do seu faturamento em razão de uma lei, segundo eles ultrapassada, editada há quase 10 anos, quando a realidade do vestibular da UEM era completamente diferente.

Para se ter uma ideia, há 10 anos o vestibular ocorria somente em Maringá, hoje as provas são aplicadas em outras oito cidades paranaenses. Outro ponto que, segundo os empresários, demostra o quão absurda é a Lei, é a proibição dos empresários de exercerem plenamente a sua atividade desde às 20h da sexta-feira, que antecede o vestibular, até às 24h do dia de seu término, ou seja, a proibição acontece durante cinco dias, enquanto as provas são aplicadas em apenas três dias.

A associação de moradores da Zona 7 defende a manutenção desta Lei em meio de uma das maiores crises econômicas já vividas em nosso país.

Além do prejuízo aos empresários, os frequentadores destes bares têm seus direitos ao lazer tolhidos despropositadamente durante estes cinco dias.

O grupo de empresários espera que "o poder público maringaense (legislativo e executivo) ouça a tal súplica, impedindo que bares e restaurantes fechem as portas, aumentando ainda mais a fila de desemprego!"

Fonte: facebook.com/democraticomaringa