Atentado em Barcelona deixa 13 mortos e 100 feridos.

17/08/2017

Uma van foi usada para atropelar várias pessoas em La Rambla, via que fica em uma das regiões mais turísticas de Barcelona, na Espanha, nesta quinta-feira (17). Abaixo, veja o que se sabe e o que falta esclarecer sobre o ataque:

Quantos suspeitos estariam envolvidos?

Testemunhas relataram à imprensa local ter visto pelo menos duas pessoas na van envolvida no atropelamento. Uma rádio local afirma que, na van, foi achado o passaporte de um cidadão espanhol morador de Melilla, cidade autônoma espanhola que fica na costa mediterrânea da África.

Dois suspeitos foram presos. Segundo a imprensa local, outro suspeito morreu em uma troca de tiros.

Quantos morreram e quantos ficaram feridos?

O governo de Barcelona informou que há 13 mortos e 100 pessoas ficaram feridas, sendo 15 feridos graves, 23 menos graves e 42 feridos leves. Há feridos de diferentes nacionalidades.

Algum suspeito foi detido?

A polícia da Catalunha confirmou que prendeu dois homens, um deles é espanhol nascido em Melilla e outro é marroquino, mas não são os condutores da van. Um dos homens chegou a ser identificado como Driss Oukabir, mas há dúvidas sobre se este era de fato o nome de um dos terroristas. Um terceiro suspeito morreu em uma troca de tiros com a polícia.

Quem é Driss Oukabir?

Ainda é incerta a identificação. Inicialmente, a imprensa local afirmou que um dos detidos foi identificado como Driss Oukabir, morador de Ripoll, cidadão marroquino, de 28 anos e residente legal na Espanha. O detido é apontado como o suspeito de ter alugado o veículo usado no ataque. Ele foi preso em Santa Perpetua de la Mogada, município perto de Barcelona.

Apesar disso, um homem que se identificou justamente como Driss Oukabir - que foi apontado como um dos suspeitos presos - procurou a delegacia de Girona para afirmar que seus documentos foram roubados, segundo o "La Vanguardia". Ele procurou a polícia após ver suas fotos na imprensa e disse que no momento do ataque ele estava em Ripoll.

Algum grupo terrorista reivindicou o ataque?

Segundo a agência Amaq News, o grupo Estado Islâmico reivindicou o ataque em Barcelona. A informação foi repassada pelo grupo de monitoramento de atividades islamitas SITE. O primeiro-ministro espanhol, Mariano Rajoy, pediu coordenação máxima para prender os agressores.

Tentativa de fuga

Segundo o "El País", houve um incidente na Avenida Diagonal, uma das saídas de Barcelona. Um agente da polícia catalã foi atropelado em um ponto de controle. O suspeito morreu em uma troca de tiros com a polícia em Sant Just Desvern, município próximo a Barcelona.

Terroristas ficaram entrincheirados em restaurante?

Ao anunciar a prisão do suspeito, a polícia negou que ele tenha ficado entricheirado em um restaurante perto do tradicional mercado La Boquería, na Rambla, como havia divulgavado a imprensa local.

O centro turístico foi fechado?

Não. A região foi isolada, e as estações de metrô e trem perto do local do atropelamento foram fechadas. As autoridades pedem que os moradores da cidade e os turistas evitem circular pela região.

A prefeitura suspendeu todas as atividades públicas, inclusive a tradicional festa do bairro de Gracia.

Há mais algum incidente ligado ao atentado?

A polícia da Catalunha investiga uma possível conexão entre o atentado e a explosão de uma casa em Alcanar, na noite de quarta. Atribuída a um vazamento de gás, a explosão causou a morte de uma pessoa e deixou outras sete feridas.

Este foi o primeiro ataque terrrorista no país?

Não. Em março de 2004, militantes islâmicos colocaram bombas em vagões de metrô em Madri. O atentado, o mais mortal da história espanhola, deixou 191 mortos e mais de 1.800 feridos.

Considerando o cenário mundial, o atentado em Barcelona foi o sexto em que os autores usaram um atropelamento como forma de atingir as vítimas em 2017.


Fonte: G1