Auxiliares de Farmácia reivindicam melhorias e anunciam greve em Sarandi.

28/08/2017

Hoje (28) a sessão ordinária da Câmara de Vereadores de Sarandi ficou marcada pelo manifesto realizado pelas auxiliares de farmácia do Município, aonde a classe briga não apenas por melhorias, mas também para que se faça valer seus direitos.

Uma das reivindicações é em relação a carga horaria de trabalho, o qual o Município possui um decreto que prevê o expediente de 6 (seis) horas ao dia, diferente das 8 (oito) que elas vem realizando.

Em resposta a esse questionamento a atual secretária de saúde, Sandra Jacovós, justificou que o concurso que elas fizeram foi para a carga horaria de 8 (oito) horas, e que o decreto veio antes de elas prestarem concurso, deixando as novas funcionárias de fora desse decreto.

A maior alegação das aulixiares é o fato de só poderem distribuir medicamentos com a presença de um farmacêutico credenciado no CRF (Conselho Regional de Farmacia), e além de escaço os farmacêuticos no Município, os que ainda tem possuem a carga de 6 (seis) horas ao dia, fazendo com que as atendentes permanecem 2 (duas) horas a mais sem poder desempenhar a função, e o pior de tudo que tem que permanecer no local de trabalho, apenas dispensando a população e ouvindo absurdo por parte deles.

Outro ponto levantado foi em relação a insalubridade, já que possuem o risco diário de contaminação por doenças e o Município se nega pagar.

Em relatos, algumas destas auxiliares nos disse que surgem a cada dia novas receitas de medicamentos manchadas de sangue, escarradas, isso quando alguns pacientes portadores de tuberculose não usam a receita na hora de conter a tosse, colocando assim o risco de transmissão de doenças.

Entendendo a Insalubridade:

A Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT), em seu Art. 189 diz: "Serão consideradas atividades ou operações insalubres aquelas que, por sua natureza, condições ou métodos de trabalho, exponham os empregados a agentes nocivos à saúde, acima dos limites de tolerância fixados em razão da natureza e da intensidade do agente e do tempo de exposição aos seus efeitos".

Com isso, é necessário que algum agente ou órgão competente, faça essa vistoria para constatar se as funcionárias possuem o direito, e se sim que o Município faça valer.

E pra finalizar fomos comunicados que as auxiliares entrarão em greve nessa próxima sexta, deixando apenas as farmacêuticas responsáveis pela distribuição de medicamentos e certamente gerará um caos, já que o Posto de Saúde do Bela Vista, por exemplo, atende em média 300 pessoas ao dia.

Elas não souberam informar de imediato se será apenas greve ou se adotará a paralisação, o qual se estenderia por um tempo indeterminado.